Logo Zignet branco

| Blog

Pedágio Free Flow: conheça tudo sobre essa tecnologia!

Pedágio de fluxo livre e sem cabines
Índice do conteúdo

Já conhece o novo sistema de pedágio que começa a ser implantado nas estradas brasileiras? Saiba o que é e como funciona o free flow!

No início de 2023 o Conselho Nacional de Trânsito (Contran) regulamentou o pedágio free flow (trânsito livre, em inglês), uma importante comodidade para quem usa com frequência as estradas brasileiras, seja a lazer ou a trabalho.

Muito usado na Europa, Estados Unidos e Chile, o modelo já está implantado na Rio-Santos (BR-101), mas logo os motoristas poderão contar com essa facilidade a mais em várias outras rodovias do território nacional. 

Mas você sabe o que é o pedágio free flow e como ele funciona? Continue a leitura para saber mais sobre mais esse avanço tecnológico nas rodovias e como ele vai beneficiar sua rotina!

 

Antes de tudo, entenda os pedágios

Antes de entender o que é e como funciona o free flow, é interessante saber um pouco mais sobre os pedágios, as taxas cobradas de motoristas que utilizam rodovias públicas. 

Os pedágios são usados para financiar a construção e manutenção de estradas, além de gerar receita para o governo e/ou a empresa vencedora da licitação para a construção e/ou manutenção da rodovia. 

O funcionamento ocorre por meio de cobranças em praças de pedágio, onde os motoristas pagam uma tarifa para poder passar. O valor arrecadado deve ser empregado na manutenção do local, assim como sua limpeza e sistemas de segurança para os motoristas.

No Brasil, os pedágios são regulamentados pela Agência Nacional de Transportes Terrestres (ANTT) e as tarifas são definidas conforme o custo da construção e manutenção da rodovia, além de fatores como o volume de tráfego e a distância a ser percorrida.

Em outras palavras, os pedágios são uma forma de cobrar os motoristas pelo uso das estradas públicas. Eles são uma fonte importante de receita para o governo e/ou a empresa administradora, que pode ser usada para financiar a construção e manutenção de novas estradas e melhorar as condições das estradas existentes.

 

O que é o pedágio free flow?

Agora que você já sabe o que são os pedágios e para o que servem, é hora de conhecer mais sobre essa modalidade que promete revolucionar a rotina de milhões de pessoas que pegam as estradas diariamente, o free flow.

A novidade é que esse modelo de cobrança é feito sem as tradicionais praças de cobrança. O fluxo é livre e o pagamento é proporcional à quantidade de quilômetros rodados.

Na BR-101, entretanto, a cobrança não é feita por quilômetro percorrido. É feita uma cobrança cada vez que o carro passar por um dos 3 pórticos instalados.

O sistema free flow difere dos pedágios tradicionais de várias maneiras. A principal diferença é que os motoristas não precisam parar ou reduzir a velocidade para pagar o pedágio. Isso melhora a fluidez do tráfego e a segurança dos usuários.

Além disso, o pedágio free flow cobra pelo total de quilômetros rodados, enquanto os pedágios tradicionais cobram por trecho. Dessa forma, os motoristas que percorrem grandes distâncias acabam tendo os custos reduzidos.

 

Saiba como tecnologia de cobrança do free flow funciona

A inovação para realizar a cobrança do pedágio free flow é outro diferencial, bastante parecida e ajuda a manter o tráfego fluindo com mais rapidez, porque a cobrança é feita através da leitura das placas.

O pedágio free flow usa tecnologia avançada para identificar e cobrar os veículos, como câmeras de leitura de placas e tags eletrônicas.  É um modelo parecido com o que já existe em alguns pedágios tradicionais, que usam cabines físicas de cobrança, mas têm faixas exclusivas para carros com tags. 

Nesse caso, os leitores identificam o carro cadastrado no sistema sem que ele precise parar para fazer o pagamento. Este, por sua vez, é debitado na conta do assinante em uma data definida para o pagamento.

Com isso o carro não precisa parar para fazer o pagamento manualmente no guichê, aguardar o troco etc., o que costuma gerar longas filas, principalmente em determinadas estradas em finais de semana e feriados.

É necessária uma tag eletrônica?

No free flow os leitores instalados nos pórticos fazem a identificação e classificação do carro através de uma etiqueta eletrônica, as famosas tags. Dessa forma é definida a tarifa que será cobrada na fatura da operadora da tag.

Se o carro já tiver uma etiqueta instalada no para-brisa, não é preciso fazer a substituição: o veículo já está pronto para passar pelo sistema free flow de pedágio. O desconto da tarifa será automaticamente feito na fatura mensal. 

Quem ainda não tem tag precisa pagar a tarifa manualmente, em até 15 dias após a passagem pelo pórtico, através dos canais definidos pela concessionária. Assim como no sistema tradicional de pedágio, a evasão sem pagamento acarreta multas e penalidades para o motorista, gerando 5 pontos na CNH.

O motorista não é obrigado a ter uma tag, já que o sistema também faz a cobrança pela leitura da placa do carro através de câmeras. No entanto, a tag é necessária para aproveitar todos os benefícios da experiência completa do free flow. Um deles é o desconto na cobrança, que pode variar de 5% a 70% de acordo com a quantidade de passagens pelos pórticos.

 

Quais as vantagens do pedágio free flow

O pedágio free flow é uma tecnologia inovadora que oferece diversos benefícios para os motoristas e para o sistema de transporte rodoviário. Ele é mais ágil, eficiente, seguro, cômodo e econômico do que os pedágios tradicionais.

Há várias vantagens nesse sistema. Uma delas é a redução de congestionamentos, já que os motoristas não precisam parar ou reduzir a velocidade no pedágio.

Por outro lado, geralmente a tarifa é calculada de acordo com a distância percorrida e não em pontos fixos pré-estabelecidos. 

Além disso, o trânsito é agilizado pela leitura de placas e tags eletrônicas para identificar e cobrar os veículos. Essa leitura pode ser feita por sensores e câmeras digitais sem a necessidade de parar o carro ou mesmo reduzir a velocidade.

O free flow também é uma opção mais amiga do meio ambiente. Além da redução do tempo de viagem, há redução também do consumo de diesel e emissão de poluentes, especialmente no trânsito de veículos de carga pesados. 

A logística das empresas também têm os custos reduzidos com o free flow, já que  há menos gastos com freio e óleo, por exemplo, cujo desgaste é consideravelmente maior com as paradas constantes.

Outra vantagem é a gestão mais eficiente dos recursos arrecadados. Uma vez que não há necessidade de construção da praça do pedágio nem de contratação de funcionários para as cobranças presenciais, o dinheiro das rodovias passa a ser destinado para outros projetos. 

 

Saiba onde o free flow está funcionando no Brasil

O pedágio Free Flow é uma tendência crescente no Brasil e no mundo. Ele oferece diversas vantagens para os motoristas, para o sistema de transporte rodoviário e para o meio ambiente.

No Brasil, o sistema foi implantado pela Lei 14.157/21 e desde março de 2023 já está funcionando na BR-101, a Rio-Santos, nos trechos de Paraty,  Mangaratiba e Itagui, todos no Rio de Janeiro. Porém, a implantação do sistema em outras vias já está prevista para os próximos anos. 

 

A Zignet te ajuda a rodar com praticidade e tecnologia

O pedágio free flow é mais uma demonstração de como a tecnologia ajuda os motoristas a ter uma rotina mais suave, ágil, segura e econômica. 

Na Zignet, por exemplo, basta acessar o site e consultar os débitos veiculares pela placa do carro para regularizar toda a situação pagando taxas, multas e impostos em até 12x no cartão de crédito.

Além disso, você está sempre bem informado sobre as inovações tecnológicas que vão melhorar seu dia a dia e as melhores dicas para um trânsito seguro no nosso Blog!

Continue aproveitando as facilidades da Zignet e acompanhando as novidades com a gente! 

Avalie este post
Foto de Paulo Lofreta Loffreda

Paulo Loffreda é um empreendedor e investidor atuante nos cenários empresariais do Brasil e dos Estados Unidos. Fundador e sócio da ZIGNET Instituição de Pagamento em São Paulo, lidera a inovação na tecnologia financeira. Além disso, como fundador e sócio da PlusA Real Estate Development em Orlando, destaca-se em investimentos e desenvolvimentos imobiliários nos EUA. Foi sócio fundador da Planvale Benefícios adquirida pelo UP Group e como fundador e ex-presidente nacional da CEBRASSE – Central Brasileira do Setor de Serviços, sua trajetória é marcada por contribuições significativas para o setor empresarial brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Compartilhe nas redes sociais

Últimas publicações