Logo Zignet branco

| Blog

É possível reduzir a carga tributária da minha empresa?

Tempo de leitura: 7 minutos
carga tributária da minha empresa
Índice do conteúdo
Rate this post

O Brasil é conhecido por ter uma das maiores cargas tributárias do mundo, mas a sua empresa não precisa sofrer com isso além do necessário. Com algumas boas práticas este peso pode, sim, ser reduzido.

A boa gestão tributária prevê um planejamento estratégico, que permita se manter dentro da legalidade sem, entretanto, pagar a mais por isso. 

Leia este artigo até o fim e entenda como isso é possível.

 

Entenda a carga tributária da sua empresa

De acordo com a Organização para a Cooperação e Desenvolvimento Econômico (OECD), o Brasil só perde para Malta no ranking dos países que mais tributam as empresas.

Mas respeitar o regime fiscal é fundamental para manter a ética e a legalidade da sua empresa, mas também para reduzir custos. Afinal, atrasar impostos e outras obrigações sai caro – e é aí que começa o corte de custos desnecessários.

Portanto, o primeiro passo é entender exatamente qual é a carga tributária da sua empresa – com seus prazos, multas e juros para atrasos.

Junte documentos e faça uma análise da realidade fiscal do seu negócio. Você não precisa ser um expert no assunto, mas deve ser bem assessorado. 

 

Tenha uma consultoria tributária

Cerque-se de administradores e contadores da sua confiança e procure entender quais os principais impostos que incidem sobre sua empresa e como eles impactam seus negócios. Conheça bem a legislação e dê início a um bom planejamento tributário.

É fundamental contar com uma boa consultoria tributária para evitar erros que podem impactar ainda mais o fluxo de caixa da empresa e a vida fiscal. Acompanhe de perto, mas ter profissionais especializados em carga tributária dá mais segurança e tranquilidade para que o peso dos tributos seja reduzido, agindo no centro da lei.

 

Faça um bom planejamento tributário

O planejamento tributário precisa começar com a análise do histórico de movimentações da sua empresa de acordo com as atividades desenvolvidas. Afinal, dependendo delas e do faturamento, a legislação pode apresentar tributações diferentes. 

Reorganize a estrutura financeira da empresa, analisando tudo o que pode gerar oportunidade para créditos fiscais e deduções.

O planejamento também deve incluir um calendário preciso para o pagamentos dos tributos, evitando juros, multas e outras penalidades que pesam no fluxo de caixa. E pesquise os melhores investimentos em ativos que gerem despesas dedutíveis.

Não esqueça de programar relatórios personalizados e de fácil leitura e acesso para que as informações estejam sempre em mãos quando necessário.

Então saiba exatamente quais são os impostos que incidem sobre suas atividades e verifique se não podem ter outro enquadramento, cuja carga tributária seja menor. 

Uma mudança de enquadramento no regime de tributação pode ser bastante interessante para reduzir a carga tributária.

 

Considere as opções de enquadramento fiscal

Uma vez conhecendo bem a realidade do seu negócio, está na hora de considerar uma mudança no regime de tributação. Aqui no Brasil há três tipos, que podem ser mudados todo ano: Simples Nacional, no Lucro Real ou no Lucro Presumido. 

Cada enquadramento define um pacote de impostos que precisam ser pagos e seus respectivos procedimentos. Mas a escolha deve ser feita acompanhada por um profissional de confiança, porque muitas vezes o que parece mais simples não é o mais econômico. 

Dependendo das atividades e do momento da sua empresa, um regime mais complexo pode trazer mais oportunidades de descontos e deduções. Então analise as formas de pagamento, as brechas e as possibilidades de redução da carga tributária de cada um. 

Veja as características gerais de cada tipo de enquadramento tributário:

  • Simples Nacional – É o regime simplificado para micro e pequenas empresas. Todos os impostos são pagos de uma só vez, em uma única guia de pagamento. Os limites de enquadramento variam a cada ano, mas é preciso avaliar bem todas as possibilidades específicas do seu negócio.
  • Lucro Presumido – Nele os impostos são pagos sobre um percentual ou valor fixo definido de acordo com o setor de atuação da empresa. Ou seja, o tributo é calculado sobre uma margem presumida de lucro que varia de acordo com a área, então não é preciso apresentar demonstrações financeiras completas para calcular o lucro real.
  • Lucro Real – É o contrário do Lucro presumido. Aqui, os impostos incidem sobre o lucro real apurado a partir das demonstrações financeiras completas da empresa. Então a alíquota do imposto é aplicada sobre o lucro real apurado no fechamento da contabilidade mensal da empresa. 

 

Aproveite os benefícios e incentivos fiscais

Faça um levantamento dos benefícios e incentivos fiscais que cabem ao seu negócio. Há vários deles em todas as esferas – municipal, estadual e federal – como investimentos específicos, programas governamentais, isenção ou redução do imposto de renda etc. 

Alguns exemplos de programas de incentivo fiscal são a Lei Rouanet, a Lei de Incentivo ao Esporte e a Lei do Audiovisual.

Há inclusive direitos que você pode não conhecer e que reduz o impacto da carga tributária na sua empresa. Por exemplo, empresas sujeitas ao ISS (Imposto Sobre Serviços de Qualquer Natureza) não precisam pagar o tributo duas vezes (na cidade de origem e na cidade de prestação do serviço) se estiverem inscritas no Cadastro de Prestadores de Serviços de Outros Municípios. 

 

Atenção à possibilidade de dedução de despesas

Há várias despesas operacionais que podem ser deduzidas do imposto de renda de pessoa jurídica, reduzindo o valor a ser pago. 

Algumas delas são as despesas com pessoal, aluguel e manutenção de imóveis utilizados na atividade da empresa, despesas com juros e encargos de dívidas contraídas para financiar a atividade, despesas com depreciação de bens do ativo imobilizado da empresa e perdas com ações judiciais.

Mas nem todas são dedutíveis e as regras variam de acordo com o regime tributário adotado e com a atividade econômica da empresa.

 

Revisão de obrigações acessórias

As obrigações acessórias são a prestação do pagamento de tributos ou penalidades, por força da lei, para não terem problemas maiores com a Receita Federal, ou seus municípios e estados. 

O seu não pagamento a transforma em obrigação tributária, que só se encerra quando é feito o pagamento total do tributo. Entender cada uma delas e seus respectivos prazos evita problemas com o fisco e a geração de mais gastos que impactam a carga tributária.

 

Gestão de fluxo de caixa

Tenha total controle sobre o fluxo de caixa e o balanço financeiro da empresa, evitando entradas e saídas erradas. Mantenha separadas a pessoa física e pessoa jurídica, sem misturar suas despesas pessoais com as despesas da empresa. 

As contas bancárias devem ser separadas, sem fazer cruzamento de compras, como a aquisição de equipamentos que serão ativos para a empresa com o cartão de crédito pessoal. Isso impacta o imposto de renda desnecessariamente e induz a uma confusão fiscal. 

 

Uso de tecnologia

Contar com a ajuda da tecnologia é uma das melhores formas de manter a saúde fiscal da sua empresa. A solução ajuda nas rotinas diárias, automatizando processos, como a apuração de impostos, geração de relatórios e entrega de obrigações acessórias.

Dessa forma é possível reduzir o tempo da equipe com essas atividades e, consequentemente, o custo/hora. Por outro lado, os profissionais especializados ficam mais livres para otimizar a gestão através da análise de dados e identificação de oportunidades para reduzir a carga tributária.

Mais tempo para identificar oportunidades

Uma boa equipe de especialistas com as ferramentas tecnológicas certas conseguem encontrar soluções legais para reduzir o peso dos impostos na sua empresa. 

Dessa forma, há vários outros aspectos da sua empresa que podem ser otimizados por uma equipe centrada na redução da carga tributária. Veja outras sugestões:

  • Revisão de contratos e parcerias – A revisão de contratos pode reduzir o impacto dos tributos. Cláusulas podem ser modificadas de forma a se adequarem a programas de incentivo e benefícios fiscais.
  • Educação e capacitação – Promova programas de educação continuada em tributação para gestores estratégicos, gerando insights valiosos e oportunidades de parcerias que reduzem a carga tributária.
  • Eficiência operacional – Algumas melhorias operacionais, certificações e selos podem trazer benefícios fiscais. O programa “IPTU Verde”, por exemplo, ativo em 22 cidades brasileiras e que oferece descontos que variam entre 0,3% e 100% no imposto Predial Territorial Urbano para empresas que adotam medidas sustentáveis em seus imóveis.
  • Regularização de débitos tributários – É importante regularizar todos os débitos tributários da empresa para evitar multas e sanções que impactam ainda mais o fluxo de caixa. Na Zignet você pode parcelar os débitos da empresa em até 12X no cartão de crédito e melhorar a saúde financeira dos seus negócios.

 

Conte com a Zignet

Há várias medidas que podem ser tomadas para reduzir a carga tributária na sua empresa, mas é importante contar com uma consultoria especializada e com as melhores ferramentas tecnológicas.

Dessa forma é possível otimizar o tempo da equipe, ter mais segurança nas tomadas de decisão embasadas em dados concretos e identificar as melhores oportunidades de benefícios e isenções.

Além disso, na Zignet você coloca a vida tributária da sua empresa em dia sem pesar no orçamento, gerando mais saúde financeira para seus negócios e maior fluidez e estabilidade para o fluxo de caixa.

Venha conhecer as soluções Zignet para a sua empresa e continue acompanhando nossas dicas pelo Blog!

Foto do CEO da Zignet Paulo Loffreda

Paulo Loffreda é um empreendedor e investidor atuante nos cenários empresariais do Brasil e dos Estados Unidos. Fundador e sócio da ZIGNET Instituição de Pagamento em São Paulo, lidera a inovação na tecnologia financeira. Além disso, como fundador e sócio da PlusA Real Estate Development em Orlando, destaca-se em investimentos e desenvolvimentos imobiliários nos EUA. Foi sócio fundador da Planvale Benefícios adquirida pelo UP Group e como fundador e ex-presidente nacional da CEBRASSE – Central Brasileira do Setor de Serviços, sua trajetória é marcada por contribuições significativas para o setor empresarial brasileiro.

Deixe um comentário

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Compartilhe nas redes sociais

Últimas publicações